Essa é uma expressão que tenho ouvido com muita frequência em canais e vídeos pela Internet, sempre com ares de superioridade científica, como se o apresentador ou influencer fosse um doutor em Mecânica Quântica, mas são esotéricos em busca de um significado para a vida, repassando o que ouviram não sabem de onde nem de quem para conquistar plateia e passar a visão de que são pessoas do bem em busca de uma suposta evolução espiritual. E dizem que aqueles que não procurarem essa mesma fonte de evolução serão varridos do planeta para uma dimensão inferior nos confins do Universo que vibra em frequências baixas – seja lá o que isso signifique. Ah, e ainda tem aqueles que dizem que existem seres de luz mais evoluídos no Universo que vivem na 9a dimensão, isso mesmo, nona, como se dimensão não fosse uma questão de geometria, mas degraus da evolução das espécies de vida nesse Universo. Não bastasse, tem outros que usam termos como “irmãos fractais” ou fractalidade como se fosse um adjetivo de algo evoluído ou fraterno.

O que acho muito estranho é que as pessoas que falam essas coisas têm pelo menos o segundo grau e não são tão novas, ou seja, ainda pegaram um segundo grau que ensinava geometria e tinha até aulas de física moderna, que costuma dar uma leve introdução à quântica. Essas pessoas deveriam saber que:

- não vivemos na 3a dimensão, mas que percebemos apenas 3 dimensões espaciais, isso se existirem outras dimensões da mesma natureza, ou seja, poderíamos falar até que vivemos em 3 dimensões, mas não na 3a , é absolutamente impossível viver em uma ou duas dimensões, uma dimensão é uma linha, assim, um ser vivo em uma dimensão seria um ponto, ou no máximo um segmento de reta. Em duas dimensões, pode se imaginar uma folha de papel infinitamente fina, os seres teriam que comer e defecar pelo mesmo buraco, pois de outro jeito seria dois objetos distintos.

- o tempo não é a 4a dimensão, é uma das quatro dimensões que percebemos, com um detalhe de não poder ser trocada com as outras três espaciais. Assim, o Universo que PERCEBEMOS tem quatro dimensões, três espaciais e uma temporal (não vamos nem falar em outras dimensões que podem aparecer na teoria das cordas, se não vai aparecer alguém falando que a teoria das cordas provou que o Universo tem dimensões espirituais para onde vão as almas penadas). E é terrivelmente difícil para nós apenas imaginarmos um objeto espacial quadridimensional, apenas um hipercubo já é um exercício mental que deixaria qualquer buscador extasiado… e exausto. As dimensões espaciais são essas que a gente percebe diariamente, todos os objetos têm altura, largura e profundidade, e podemos rodar ou trocar que o objeto continua sendo o mesmo. Já o tempo não pode comutar com as outras dimensões e ainda tem a sacana característica de se mover num único sentido sem nossa vontade poder alterar, apesar de buscarmos mecanismos que permitam isso, mas aí já é outra estória.

- salto quântico, de forma estupidamente simples, é algo que só pode ocorrer naquele pedacinho muito, muito pequeno, na ordem de grandeza dos átomos. Não existe salto quântico em objetos um pouco maiores, nem pensar em humanos dando saltos quânticos. É sério, toda vez que escuto a expressão que parte da humanidade vai dar um salto quântico, imagino pessoas peidando, liberando energia e pulando para camadas inferiores de energia, o inferno quântico de Dante. Os que querem subir no nível de energia deverão absorver essa energia, aí fica por conta do leitor imaginar a cena.

- Fractal é um conceito geométrico que usamos para descrever a natureza, tem a ver com dimensão fracionária. Rapidamente, pode-se entender que serve para mostrar que na natureza as coisas se formam para minimizar o espaço que ocupam, mas maximizar sua funcionalidade, por exemplo, uma árvore tem uma dimensão fracionária entre 2 e 3 porque não é um plano, mas também não ocupa plenamente as 3 dimensões, ou seja, pequeno volume, mas grande área. Outro exemplo são nossos pulmões. Imagine uma esfera densa, sem buracos internos; essa esfera é um objeto com 3 dimensões, mas uma esfera oca, com apenas uma casca infinitamente fina pode ser considerada um objeto com apenas duas dimensões. Qualquer coisa entre a esfera oca e a densa é um objeto fractal, apenas isso. A fractalidade também pode ser vista como características que observamos nessa teoria, como auto-similaridade em escalas ou a invariância nas escalas, ou seja, as coisas são parecidas quando se amplia um objeto. Aí alguém usou esse conceito para falar que as coisas são parecidas no mundo microscópico e no macroscópico e deturparam tudo, apenas para dar aquele ar de inteligência científica. Diga-se de passagem, Teoria da Complexidade e Sistemas Dinâmicos é belíssima, vale a pena dar uma estudadinha!

Então temos alguns pontos que estão claros. É balela, conversa para boi dormir ou, pior, para enganar trouxa. É algo como aquelas pessoas que colocam o adesivo “amo minha família” no carro e você encontra esse carro no estacionamento de um puteiro. São pessoas que querem o rótulo de evoluídas, além de boazinhas. O estranho é que as empresas do setor de Internet não bloqueiam esses conteúdos por serem falsos ou não conterem informações cientificamente comprovadas, como fizeram com aquelas que questionam as picadas das grandes indústrias farmacêuticas. Estranho que também não bloquearam os conteúdos terraplanistas, afinal, não atrapalham os interesses comerciais ou políticos de ninguém. Mas isso é outro assunto.

Existem outras narrativas que tentam explicar a “mudança” da humanidade, como a que iremos vibrar em frequências mais elevadas (apenas as pessoas boas, já que as ruins vibram em frequências mais baixas). Usam o termo alta e baixa como qualificação moral, é algo insano. O que frequência tem a ver com tudo isso? E que tipo de vibração, eletromagnética? Sério? De qualquer forma, devemos saber que se a frequência subir demais a situação não fica muito boa. Com frequências baixas podemos provocar determinados fenômenos, não necessariamente bons ou ruins, o mesmo para altas. Tudo isso depende exatamente da mão que promove o evento. Basta ver as radiações nucleares, a mesmíssima coisa pode ajudar no tratamento de câncer, gerar energia elétrica para milhões de pessoas, mover navios ou simplesmente assassinar centenas de milhares de pessoas num único evento promovido por um grupo de pessoas que está simplesmente querendo mandar e controlar todas as demais bilhões de pessoas nesse planetinha da esquina de um subúrbio de uma galáxia perdida nesse Universo que não fazemos a menor ideia de como realmente funciona e, pior ainda, para que funciona. Mas nos achamos a última migalha de biscoito do pacote que interessa ao dono do Universo. Ah, e esse dono do Universo está muito preocupado com o que você anda fazendo trancado no banheiro.

Entretanto, nada disso invalida a ideia central dessas pessoas de que estamos vivendo um momento único. De fato, pela própria constituição do Universo que percebemos, cada momento é mesmo único. Mas a busca pelo conhecimento, seja ele físico, biológico, psicológico ou mesmo espiritual requer dedicação e uma outra coisa muito importante: ÉTICA. Não é nada ético sair por aí falando palavras bonitas que parecem inteligentes para enganar outras pessoas ou apenas alimentar o ego com curtidas de pessoas que apertam o like até em vídeos de dancinhas estranhas. O momento é mesmo único, por isso não perca tempo se desviando do caminho, e esse caminho já foi escrito usando outras línguas e formas. Hoje, pelo mundo que vivemos, precisamos dar uma linguagem científica para ter valor, mas valor pra quem? Para os outros. E, sinceramente, sua evolução não depende dos outros, menos ainda da opinião dos outros. Como se diz, opinião é igual a cu, todo mundo tem e serve para fazer merda. A sua evolução pessoal depende exclusivamente de e para você. Ou você acha mesmo que aquela imensa quantidade de “curtidas” no seu vídeo irá garantir um lugar especial no paraíso ou na nave alienígena que está chegando para nos salvar? Ah, salvar de quem ou quê?

Outra coisa que fica muito claro com essas narrativas é o fato de que as pessoas criam as chamadas pós-verdades para a suas necessidades existenciais, ou seja, inventam qualquer explicação para criar esperanças de que as coisas vão melhorar, seja agora nessa vida ou até mesmo imaginam uma vida após essa (sim, por mais que acreditemos, ainda é uma imaginação). Tem muitos que esperam há dois mil anos um ser divino voltar para que possamos ter uma vida paradisíaca, outros que cansaram dessa espera aguardam alienígenas até da 9a dimensão, outros esperam ondas quânticas transmigracionais da turbulência violeta da frota intergalática do comandante Chiroquiponja, e por aí vai. Todos continuam entregando suas vidas inteiras, a única que sabemos de fato que temos, e cada instante da dimensão temporal para coisas imaginárias, isso é um desperdício estúpido. A verdade está tão mais perto que não precisamos de 5a dimensão para encontrá-la. Mas mentiria se dissesse que consegui chegar até lá, não consigo pelas amarras que criamos em apenas três dimensões espaciais e uma temporal. Não preciso de salto quântico para justificar meu fracasso ou colocar a culpa num Jesus que não voltou. Quase somos os únicos responsáveis pela nossa prisão. O quase se deve ao fato de que existem seres, humanos de carne, osso e apenas três dimensões, interessados em nos manter nessa ignorância sistêmica, criando bolhas de realidade (tantas quantas forem necessárias) para nos manter alienados da REALIDADE. Esses seres se alimentam de nossa energia, seja ela física (trabalho), psíquica (toda essa tranqueira que vemos nas diversas mídias) e espiritual (religiões, esoterismo, etc.). Essas são as únicas amarras reais que podem, e têm conseguido, nos conter no caminho da busca, essa turma é a única que tem o poder de fato de nos deixar aprisionados no que chamo de Mayatrix, a matriz das ilusões. – Faça assim e terá sucesso, assado e terá dinheiro, cozido terá poder e frito atingirá o nível dos grandes sábios da humanidade. Com isso, o único mundo real com quatro dimensões que conhecemos e podemos viver nele será de um seleto grupinho de parasitas bem mais espertos e que faz questão de deixar que essas asneiras proliferem.

Devemos dedicar toda energia mental que temos numa busca real, sem dogmas ou crenças fajutas, menos ainda em estapafúrdias ideias criadas com palavras difíceis que fazem parecer algo pertencente ao mundo dos sábios. Só existe um mundo, e tanto faz se é do sábio ou do ignorante, todos podemos atingir nossos objetivos e sem que ninguém atrapalhe. Busque sua verdade sem precisar dar explicações imbecis para ninguém, menos ainda parecer o que não é, isso faz parte da ilusão. Se você está preocupado em parecer inteligente e moralmente evoluído, desista dessa ideia de correr atrás de mitos, anjos, extraterrestres, seres iluminados, comandantes de frotas, não adianta bajular seres imaginários, corra atrás de aproveitar essa vida aqui em três dimensões e na quarta dimensão do agora. Em resumo, é só isso mesmo que temos para hoje.

Alexandre – Na roça pensando merda em 17 de janeiro de 2023

Sorry, the comment form is closed at this time.

© 2015 Alexandre Guimarães Suffusion theme by Sayontan Sinha