Vemos ao longo da história humana uma infinidade de argumentos defendendo a existência de um deus ou deuses criadores do Universo, alguns usam até a designação de arquiteto. É uma discussão sem fim, mas há alguns pontos que podem restringir muito esse debate, mas, antes de propormos uma prova definitiva para a existência de deus, é importante definir alguns conceitos, como o que é impossível ou o que é inexplicável, pois um tipo de argumento que é comum é que um deus criador pode fazer absolutamente tudo, inclusive o que é impossível, não apenas o que não tem explicação.

O conceito de deuses surgiu da necessidade analítica do ser humano recém dotado de “inteligência”, que nada mais é do que a capacidade de criar correlação entre eventos, com ou sem relações de causalidade. Assim, para esse novo ser dotado de consciência calar seu diálogo interno que insistia em achar explicações para tudo que estava vendo, inclusive a morte, ou ele encontrava uma explicação que poderia ser repetida em experimentos ou ele atribuía à vontade de seres sobrenaturais, os deuses. Com o aumento da nossa capacidade de explicar fenômenos, outros fenômenos inexplicáveis foram deixados para um deus cada vez mais poderoso, culminando com um criador absoluto de todo Universo. Hoje temos a figura de um deus superpoderoso que é adorado e bajulado como se fosse um ser humano carente, mimado e vingativo que detesta ser contrariado e menos ainda colocado à prova. Essa figura mais recente de deus responsável por tudo que acontece de inexplicável é o ponto central de nossa civilização, pois em nome dele se cometem todos os tipos de excentricidades e perversidades, além de ser usado para a dominação de grandes grupos sociais por grupos pequenos, mas com grande poder econômico. Mas isso é outro assunto.

Para prosseguirmos, é importante entender a diferença entre impossível e inexplicável, já que a grande maioria das pessoas atribui ao deus criador a justificativa para eventos inexplicáveis, pois os impossíveis não existem. Milagres, por exemplo, são eventos que ocorrem sem que tenhamos a capacidade de compreender, mas que não violam nenhuma condição universal. Ou seja, eventos inexplicáveis são simplesmente aqueles para os quais devemos nos considerar ignorantes por não conseguirmos replicar o experimento, apesar de parecerem impossíveis, mas impossíveis para nossa atual capacidade. Equivalente a usar um smartphone 300 anos atrás, seria um milagre, pois não conhecíamos nenhuma tecnologia que permitiria tal fenômeno, ou usar um isqueiro para fazer fogo numa tribo indígena há 500 anos. O sujeito que riscasse um isqueiro nessa época corria o risco de ser adorado e bajulado, e ainda ganharia a virgindade da moça mais bonita da tribo. Mas, se essa tribo fosse formada por pessoas que tivessem clareza de sua ignorância e não acreditassem em seres imaginários, o máximo que o deus do isqueiro conseguiria era vender cursos de como fazer isqueiros novos. Ou seja, inexplicáveis são fenômenos possíveis que não violam nenhuma condição universal, mas que não compreendemos, ou seja, somos ignorantes. Assim, a justificativa para a existência de deuses é apenas nossa ignorância.

Já os impossíveis são eventos que não ocorrem jamais em nenhum lugar do Universo pelo simples fato de violarem regras ou condições absolutamente rígidas. Até hoje, na prática, poucos são os eventos que poderíamos considerar impossíveis, pois muitos são apenas difíceis ou inexplicáveis porque ainda não atingimos o conhecimento necessário, como é o caso de muitos fenômenos quânticos ou relativísticos, pois são ciências ainda em estudo e nada têm de absolutas. Assim, o fenômeno do entrelaçamento quântico não tem nada de impossível, era apenas inexplicável até pouco tempo atrás. Também era inexplicável o fenômeno da dilatação temporal que aparece escrito em livros antigos, como: “fulano de tal saiu num carro e voou, quando retornou seus filhos estavam mais velhos que ele”. Isso poderia ser atribuído aos deuses, pois não conhecíamos a Teoria da Relatividade de Einstein, mas hoje sabemos como isso acontece, apesar de ainda não termos a tecnologia para tal. Mas, onde está o impossível? De toda a ciência atual, vejo apenas a Termodinâmica como fundamental e absoluta, já que tem regras e condições claramente invioláveis. Especialmente a Segunda Lei da Termodinâmica que define a Entropia e que tem como consequência o fato de o tempo seguir apenas numa direção. Esta tem várias formas de ser descrita:

1) o calor não pode fluir espontaneamente de um corpo de temperatura menor para um outro corpo de temperatura mais alta;

2) a quantidade de entropia de qualquer sistema isolado termodinamicamente tende a incrementar-se com o tempo, até alcançar um valor máximo – sendo entropia uma grandeza física que descreve o grau de desordem de um sistema e está associada à irreversibilidade dos estados de um sistema.

Esta lei é a que impede que o tempo volte ou que um copo quebrado apareça inteiro. Ou seja, aqui aparece algo impossível: voltar no tempo ou ter algo reconstruído. A entropia pode ser entendida na vida humana como a energia que temos ao nascer que é capaz de nos fazer crescer, desenvolver, mas que, à medida que o tempo passa, vai diminuindo até atingir um ponto de entropia máxima que é quando, apesar de existirmos fisicamente, não teremos mais energia para realizar nenhum trabalho, ou seja, morremos. Invitavelmente tudo morre nesse Universo por conta dessa entropia, o máximo que podemos fazer é segurar o rítimo de crescimento dessa entropia, mas às custas de “roubar” energia de outros sistemas. Isso também é outro assunto.

Assim, eventos inexplicáveis podem ser atribuídos a seres mais poderosos que os seres humanos, mas ainda assim criaturas existentes dentro do Universo, apenas desconhecidas de nós, ou seja, que ignorantes chamariam de deuses. Por exemplo, existe um mito indígena, dos Caiapós do interior do Brasil, que diz que um ser chamado Bep Kororoti desceu com roupas que hoje parecem de astronautas, teve filhos com uma índia da tribo, distribuiu sementes, etc, ou seja, ele fez coisas inexplicáveis para os índios, mas nada de impossível. Ele é cultuado até hoje em cerimônias pelos indígenas. Muita gente vai chamar esses índios de ignorantes, pois dirão que Bep Kororoti não é deus. Pois é exatamente esse o ponto, um ser que aparece no deserto como fogo numa moita de mato que não se queima e grita com um cara e manda ele seguir ordens específicas é deus? Ou apenas mais um ser que detém uma tecnologia que não conhecemos, tal como o Bep Kororoti? Será o tal YHVH um amigo do Bep Kororoti? Abusaram da ignorância humana?

Para que alguma entidade ou força ou sei lá que nome se possa dar para um deus que tenha criado o Universo e seja absolutamente poderoso dentro de sua criação não basta que ela faça o inexplicável ou fique tomando conta do que cada indivíduo minúsculo dentro dessa imensidão esteja fazendo trancado dentro do banheiro. Ele tem que ser capaz de fazer o impossível. Mas uma coisa é praticamente certa, um DEUS CRIADOR não tem características humanas e nem precisa ser bajulado, adorado ou se vingar de suas criaturas por supostas violações morais que variam no tempo. Ou seja, esse deus é equivalente a um não-deus, sua existência é absolutamente irrelevante para a vida humana, pois se ele existe ele não interfere em sua criação, se interfere em vidas humanas ele não é o deus criador, é apenas mais um ser de dentro do Universo. É isso que chamo de ateísmo pragmático, pois se deus existe, ele não interfere, se interfere é tão criatura como nós, talvez apenas uma criatura com mais capacidades que seres humanos, mas nem por isso tem que ser bajulada. Mas, esse ser interno ao Universo que se parece com um deus pode ser que goste de ser bajulado, mimado e tenha poderes para se vingar de humanos que ele não goste, assim como pessoas fazem com animais de estimação, só dão comida pro cachorro se ele fizer gracinha. Nesse sentido, um cachorro é mais inteligente que nós, pois não nos trata como um deus criador do mundo.

Mas, para satisfazer aqueles fundamentalistas que não admitem que um deus todo-poderoso não existe e, pior ainda, que não pode ser colocado à prova, sugiro que façam uma oração e peçam um milagre realmente impossível: que o tempo volte! Se há um deus criador e que realmente pode tudo, ele tem que ser capaz de fazer o tempo voltar, diminuir a entropia do Universo. Mas, já que estamos falando de algo realmente impossível, que ele faça uma pessoa voltar no tempo e mantenha toda a informação que ela tem no momento anterior a essa viagem. Mas, se alguém preferir, existe uma demonstração bem mais simples que esse deus pode fazer para provar sua existência, uma incontestável manifestação de algo com um poder do impossível para qualquer coisa dentro desse Universo: que alguém que não tenha todos seus 32 dentes intactos e que já tenha sentado em uma cadeira de dentista e feito uma pequena obturação acorde um dia e descubra que todos seus 32 dentes estão perfeitos e sem nenhum tipo de tratamento. Se preferir um ritual religioso para que deus escute, ore antes de dormir e peça que acorde com todos os 32 dentes na boca sem nenhuma obturação sequer, intactos. Isso sim seria um milagre absoluto, algo impossível, não apenas inexplicável. Um deus que restaurasse todos os meus dentes seria muito bem bajulado, adorado, mimado, ganharia igrejas e tudo mais que pedisse.

Sorry, the comment form is closed at this time.

© 2015 Alexandre Guimarães Suffusion theme by Sayontan Sinha